Famílias são abençoadas com a renovação do fogo de suas lareiras

Notícias - Missões

Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 


A ADM-Lisboa celebrou no Domingo 17 de Fevereiro o segundo Culto da Família neste ano de 2008.

A família homenageada no mês foi a do Pb. Adezil Martins e Irmã Maria Aparecida junto com o pequeno Samuel – uma criança de três anos que é notável no Departamento Infanto Juvenil da igreja, pela sua desenvoltura, capacidade e eloquência nas narrativas referentes a aproximadamente quinze personagens da Bíblia.


Pode-se avaliar tais habilidades do pequeno Samuel ao ouvir-se a expressividade da mãe, irmã Aparecida, quando falava de sua gratidão a Deus pelo fato de não ser uma pessoa solitária, mas ser agraciada por Deus do desfrute da vida em família compartilhada pelo tom infantil, ao lado do esposo e do filho único Samuel, cujo considera o brilho do lar.

Bem falou do Lar, a irmã Aparecida, ao afirmar segundo os dicionários da língua portuguesa, que esta palavra tem sua origem na lareira, cujo objetivo é aquecer, brilhar, aconchegar e atrair com suas chamas brilhantes.

No livro de Levítico encontramos no altar uma simbologia da lareira, conforme cita Orlando Boyer em sua Pequena Enciclopédia Bíblica – LAREIRA: laje em que se acende o fogo; lar. Na lareira do altar Lv 6.9.

Logo, a importância da LAREIRA era decisiva na família dos israelitas “Falou mais o Senhor a Moisés dizendo: Dá ordem a Arão e aos seus filhos, dizendo:

Esta é a lei do holocausto: o holocausto será queimado sobre o altar toda a noite até pela manhã, e o fogo do altar arderá nele” (Lv 6.8,9).

O lar é o envólucro da família.

Dentro do lar – a casa, podemos estar aquecidos pelo fogo do diálogo, do perdão, da renúncia, do sacrifício, da ajuda mútua e do desprendimento.

Na lareira do Pb. Adezil e da irmã Aparecida com seus horários sacrificados de um pai que trabalha na área de segurança e uma mãe Ananere, com muitos turnos de trabalhos sem distinção diurnos ou noturnos: não falta tempo para ler a Bíblia com o seu pequenino filho cujos arquivos mentais estão sendo formados pela Palavra de Deus com resultados visíveis.

O Samuel não narra os fatos bíblicos como uma historinha de faz de conta, ou seja: “Era uma vez...........”, mas conhece bem detalhes da vida de cada personagem que vivencia na Escola Bíblica Dominical e é entre outros ensinamentos, aperfeiçoados pela mamãe e pelo papai que já despertou no Samuel a sede de ganhar almas, pois o pequeno não perde tempo. Identifca com facilidade uma pessoa que precisa de Jesus, até mesmo pelo perfil de apresentação ou aspecto físico e expressivo – um impulso diferenciado de uma criança de apenas três anos, na pureza de sua voz, no brilho dos olhinhos e no desejo do coração de levar as pessoas a Cristo, dezenas de vezes o vi dirigir-se a alguém desprezível e falar: Jesus ama você – Ele é o Nosso Salvador – Quer aceitá-lo?

São frases curtinhas, mas sem dúvida alguma são elementos indispensáveis para colocar tais pessoas muitas vezes morinbundas, na mão do Espírito Santo que convence o homem do pecado.

Neste mês ficou para todas as famílias esta refelxão:

Como você está cuidando da sua lareira?

Com que tipo de lenha você está alimentando a sua lareira?

Pense no que Deus recomendou aos sacerdotes em Lv.6.8,9 e não esqueça que conforme o versículo 13 “O fogo deve arder continuamente sobre o altar.

O fogo não pode apagar-se.

Não dá prá esquecer este culto muito emocionante e reconstituinte.

Foi lenha prá não só um mês, mas para uma existência.

Com certeza cada família levou para seu lar um bom feixe de lenha que dará para manter sua lareira acesa por muitos dias, na colocação da irmã Maria Aparecida –a mensageira da família neste mês.

Não podíamos deixar de destacar neste culto a mais nova missionária da ADM – A bebê Miriã Miguel da Silva, que aos 12 dias de nascida foi trazida ao Templo pelos pais Pb. Luiz Gonzaga e Irmã Divina Cristina, sua esposa, para um trabalho especial.

Em cerimônia solene, o Pastor João Barbosa, apresentou a Deus a linda miúda, (criança) ao lado do irmãozinho Luiz Gustavo – nosso pequeno cantor. Muito emocionados, os pais prometeram a viva voz e em um mesmo coro, criar Miriã na casa de Deus, ensinando-lhe o caminho em que deve andar, para que até quando envelhecer não venha a se desviar dele, confome instrui Salomão em Pv 22.6.

Ao final da cerimônia, juntamente com Miriã, os bebês Vitória Alyne (4 meses) filha do Irmão Zaqueu e da Maestrina do Coral Univoz Irmã Marlete e o pequenino Isaque (2 meses) filho do Cooperador Thiago Celestino e irmã Liamara Guerreiro, já apresentados – receberam o primeiro Certificado de suas vidas sócio-cultural.

Ao final do culto, uma jovem senhora voltou-se para Cristo.