Vídeo: Pr. Ciro mostra a distinção entre os maus e os bons desejos

Vídeos - Vídeos

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 


Nesta sábado, 21 de junho, no primeiro culto do Congresso de Adolescentes da sede da Assembléia de Deus - Missões - em Campo Grande, o preletor do evento, Pastor Ciro Sanches Zibordi, pregou sobre a necessidade de alinhar nossos desejos aos propósitos divinos. O pastor afirmou que não é pecado desejar. Desejar significa "por o coração" em algo, sonhar, ter aspirações, ter projetos. Mas alertou que a Bíblia distingüe entre os bons e os maus desejos.

Nem todos os desejos, nem todos os sonhos, nem todos os planos e projetos vêm de Deus. Enganoso é o coração do homem. Até mesmo os desejos que parecem bons podem estar fora dos propósitos de Deus, como no exemplo de Davi, que queria construir um templo para o Senhor - aparentemente um projeto de Deus - mas o Senhor não o permitiu porque seu propósito era distinto do de Davi.

Se os nossos desejos não passarem no crivo da Palavra de Deus é melhor abandonarmos tais projetos que nascem em nosso coração.

Como identificar os maus desejos?

Em primeiro lugar, os maus desejos são centrados em efemeridades e colocam Deus em segundo plano. Se não priorizarem a vontade de Deus, a comunhão que devemos ter com Deus, não são bons desejos, mas são maus desejos.

Ainda, os maus desejos, no caso dos jovens, são aqueles que ignoram os conselhos dos pais. Também são maus os que valorizam o que é proibido. Finalmente, os maus desejos priorizam a ociosidade; confrontam com o trabalho, que é essencial para o sucesso na vida.

Por outro lado, os bons desejos priorizam a comunhão com Deus. A Bíblia não condena o entretenimento mas a prioridade deve ser o Reino de Deus. Os bons desejos também valorizam a Palavra de Deus. E quem ama a Palavra deve demonstrar isso; ler e meditar sistematicamente na Palavra de Deus; ler ouvir e guardar a Palavra. Também são bons os desejos que valorizam os dons espirituais. E, por fim, os bons desejos têm cunho altruíta e não são egoístas.