A fé perfeita em Deus

Artigos - Artigos

Avaliação do Usuário: / 66
PiorMelhor 
Texto Bíblico – Hb 11.1- 40

INTRODUÇÃO

A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem (Hb 11.1).

Objetivamente compreendida, a fé é a substância, a essência e a realidade objetiva.

A fé é a essência das coisas esperadas. A fé da substância às nossas esperanças.

A fé garante as bênçãos que esperamos. A importância objetiva da fé nos habilita a nos apegarmos e possuirmos as realidades daquilo que Deus nos prometeu.


Antes mesmo que a promessa se cumpra a esperança está sempre a olhar para o futuro, mas a fé se apega á sua realidade no presente, e através da operação da fé, Deus chama as coisas que não são como se já fossem (Rm 4.17).

Pela fé, coisas que ainda não existem no mundo físico tornam-se substanciais e reais no reino do espírito.


A fé e a esperança estão intimamente relacionadas.

A esperança tem o seu fundamento de acordo com aquilo que Deus prometeu. A fé espera confiantemente o que é prometido.

A fé é uma expressão da confiança nas promessas de Deus.


A fé se apega no presente à realidade daquilo que Deus prometeu. Já a esperança tem a certeza que isto acontecerá no futuro. Conforme Paulo escreveu a Tito em 1.2 - “Em esperança da vida eterna a qual Deus que não pode mentir prometeu antes dos tempos dos séculos”. E em Marcos 11.24 – “Tendes fé em Deus”.

O apóstolo Paulo ao escrever sua carta aos Coríntios exortou-os a não estarem atentos às coisas que se vêem, mas às que se não vêem.

Porque as que se vêem são temporárias e as que se não vêem são eternas. (2 Co 4.18).


Assim procedendo estamos andando por fé (2 Co 4.7). E acrescentou “Mas como está escrito: as coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o ama. Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus. Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, se não o espírito do homem que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus. Mas nós não recebemos o espírito do mundo mas o Espírito que provém de Deus para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus ” (1 Co 2.9-12).


DESENVOLVIMENTO

Queremos comentar neste assunto sobre a fé a cerca de três homens de Deus que viveram antes do dilúvio – Abel, Enoque e Noé, os quais foram exemplos de fé para sua geração e para as gerações futuras.


ABEL – Podemos observar três coisas na vida de Abel.

Em Abel se cumpria o que disse Jesus à mulher Samaritana. “Os verdadeiros adoradores adorarão ao Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade” (Jo 4.23,24).


O texto bíblico de Hebreus 11.4 diz que pela fé Abel ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caim pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho de seus dons, e, por ela, depois de morto, ainda fala.


O texto diz que Abel ofereceu melhor sacrifício do que Caim.

Ele ofereceu pela fé em Deus. Pela fé, ele adentrou a mais profunda realidade espiritual e interior do sacrifício ao Deus invisível e alcançou testemunho de que era justo.


Caim foi rejeitado porque a sua vida era espiritual e moralmente deficiente (Gn 4.3-7).

Abel mostrou muito cedo íntima relação entre a retidão e a fé.

Sua adoração agradou a Deus porque ele vivia e agia pela fé, como homem justo (Hb 11.4, 10.38; Hc 2.4). “Mas o justo viverá da fé”.


Abel morreu como o primeiro mártir profético da história.

Seu testemunho duradouro passou por sucessivas gerações e ainda hoje fala da vida de fé que agrada a Deus.

Para que desta geração seja requerido o sangue de todos os profetas que desde a fundação do mundo foi derramado. Desde o sangue de Abel até o sangue de Zacarias que foi morto entre o altar e o templo; assim, vos digo, será requerido desta geração” (Lc 11.50.51 ).


ENOQUE – Em Enoque encontramos o testemunho de fé de um homem que nunca morreu. Mas que foi trasladado para não ver a morte.

Pela fé, Enoque foi trasladado para não ver a morte e não foi achado, porque Deus o trasladara, visto como, antes da sua trasladação, alcançou testemunho de que agradara a Deus” (Hb 11.5).


A palavra chave no texto citado não é arrebatamento. Mas, ter agradado a Deus.

O texto hebraico em Gênesis, por duas vezes declara que Enoque andava com Deus.

Isto fala de uma íntima comunhão com Jeová (Gn 5.22, 24).


O escritor do Gênesis aplica a todos nós o padrão da fé que estava em ação na vida de Enoque “Ora, sem fé é impossível agradar-lhe, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que é galardoador dos que o buscam” (Hb 11.6).


Cheguemo-nos com verdadeiro coração, e inteira certeza de fé; tendo o coração purificado da má consciência e o corpo lavado com água limpa” (Hb 10.22).

Enoque foi fiel a Deus em todos os seus caminhos, mesmo vivendo em meio a uma geração excessivamente ímpia e corrupta.

Judas nos mostra qual era a sua pregação:

E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo:

Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos, para fazer juízo contra todos e condenar dentre eles todos os ímpios, por todas as suas obras de impiedade que impiamente cometeram e por todas as duras palavras que ímpios pecadores disseram contra ele” (Judas v. 14,15).


NOÉ – Cada homem de Deus tem uma característica que lhe é peculiar.

O exemplo de Noé ilustra a disposição que a fé traz para se crê naquilo que Deus disse, arriscando sua própria reputação e o futuro.


Pela fé Noé creu na advertência de Deus a respeito das coisas que ainda não se viam. Quando Deus falou a Noé sobre os eventos futuros, o Senhor ordenou-lhe que fizesse algo nunca dantes feito, a fim de salvar sua família do julgamento sem precedente.


Pela fé, Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam temeu e, para salvação da sua família preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé”- Hb 11.7 e Gn 6.13-22.

No texto podemos observar quatro realizações da vida de Noé:


Primeiro – Ele creu na mensagem de Deus e temeu. E assim construiu a arca.

A palavra temor nesse contexto representa uma submissão reverente e total a Deus (Hb 11.7).

O texto do Gênesis diz que ele fez como o Senhor lhe ordenara (Gn 7.5).

As primeiras ações de Noé demonstra a fé individual. Noé não tinha apenas uma fé individual. Sua fé tinha também uma dimensão coletiva.

Sua fé era efetiva. Não só individual. Mas a favor da família (Gn 7.7; Hb 11.7).

Noé creu e agiu de acordo com a vontade de Deus. E ao construir a arca sua fé se uniu à realidade da Palavra de Deus e tornou-se a prova das coisas que se não vêem.

Assim salvou a sua família.

Segundo – Com sua fé inabalável em Deus, Noé também condenou o mundo.

O apóstolo Pedro em sua segunda carta o descreve como um pregoeeiro da justiça (2 Pe 2.5). E ao construir a arca ele confrontou sua geração com a mensagem de Deus (Gn 6.9, Ez 14.14,20).

O apóstolo Paulo se refere à sua própria vida e testemunho do seguinte modo:

Por que para Deus somos o bom cheiro de Cristo, nos que se salvam e nos que se perdem. Para estes certamente, cheiro de morte para morte; mas, para aqueles cheiro de vida para a vida” (2 Co 2.15,16).


Terceiro – De igual modo, para aqueles que estavam sendo salvos a fé de Noé era a salvação e a vida. Mas para aqueles que estavam perecendo sua fé era a condenação e a morte.

Porém, quando as águas do dilúvio vieram, foram para alguns, o meio de salvação (1 Pe 3.20,21).

Mas as mesmas águas eram a condenação da incredulidade do mundo e o meio de sua destruição. Vemos então os dois elementos da fé registrados em Hebreus 11.1.

Embora ninguém tenha ouvido falar de um dilúvio e Noé fosse desprezado por seus contemporâneos por manter tal convicção, ele tinha a certeza de que o que Deus havia prometido aconteceria (Hb 11.1a).

E estava certo das coisas ainda não vistas (Hb 11.1b).


Por fim – A última realização de Noé é que ele foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé. Noé foi o primeiro homem explicitamente, chamado de justo no Antigo Testamento, (Gn 7.1).

Ele respondeu a Deus com uma medida completa de fé ao crê naquilo que Deus disse e agindo de acordo com a ordem divina.

E tornou-se herdeiro da justiça que é segundo a fé.

Isto significa que aqueles que respondem a Deus com a fé que Noé demonstrou partilharão com ele a justiça que Deus concede às pessoas de fé.

Jesus o Filho de Deus foi constituído por Deus herdeiro de tudo (Hb 1.2).

E todos nós que cremos nele somos descritos como os herdeiros das promessas (Hb 6.12).

E da justiça que vem pela fé .

Ora, sem fé é impossível agradar-lhe, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que é galardoador dos que o buscam” (Hb 11.6).


CONCLUSÃO

A vida terrena de Jesus é o exemplo supremo do incentivo à fé. A fé perseverante.

Como um corredor fixa seu olhar na meta, nós também devemos fixar nossos olhos em Jesus como nosso referencial.

Se fixarmos nossos olhos nos problemas, nas pessoas ou nas circunstâncias, tropeçaremos ou afundaremos como aconteceu com Pedro, que desviou seu olhar de Jesus passando a contemplar o vento e as ondas quando caminhou sobre as águas (Mt 14.28-31).

Fixando nossos olhos em Jesus somos ancorados na fé e progressivamente nos transformamos, tornando-nos semelhantes a ele (2 Co 3.18; 4.16-18; Fp 3.12,13).

Mas Jesus não é somente o objeto de nossa visão da fé.

Ele é também seu autor e consumador (Hb 12.2).