Os vícios que atormentam a vida dos homens do nosso século

Artigos - Artigos

Avaliação do Usuário: / 3
PiorMelhor 
Texto Bíblico – 2 Tm 3.1-9

OBJECTIVOS

  • Conhecer as características do mundo espiritual do presente século

  • Identicar a ação desses vícios na sociedade em que vivemos.

  • Combater através do ensino da Palavra de Deus os efeitos desses males.

INTRODUÇÃO

Estamos vivendo o período histórico chamado pelos autores bíblicos de últimos dias ou final dos tempos, que corresponde a Era Messiância, e teve início com a Primeira Vinda de Jesus e se encerrará com a segunda parte da Segunda e gloriosa Volta do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo (At 2.17; 1 Tm 4.1; Hb 1.2; 1 Pe 1.20; 1 Jo 2.18).

Desde a queda do homem no Éden, o ser humano vem incorporando muitas características em seu comportamento, tanto individualmente como a nível de sociedade.

O apóstolo Paulo escrevendo a Timóteo em sua segunda carta usa uma expressão grega original- philautoi- descrevendo o crescente e acentuado amor do ser humano caído por si mesmo (egoísmo).

Por causa do exagerado senso de auto-preservação o ser humano se tornou cada vez mais agressivo.


DESENVOLVIMENTO

A expressão grega – anemeroi – se refere ao estado das pessoas depois da queda e significa: selvagens, rudes e violentos.

O homem caído aprendeu a falsificar suas mais profundas e reais intenções.

O apóstolo Paulo usa o vocábulo grego – morphe – para descrever o comportamento de certas pessoas que têm a aparência de piedade mas no íntimo negam a Cristo.

Ele diz que estes homens são como Janes e Jambres.

Esse nomes não aparecem em Ex 7.11, mas o Targun de Jônatas (Coleções das Tradições Rabínicas) diz que eles eram feiticeiros da corte egípcia que se opuseram a Moisés.

O fim destes indivíduos será igual ao de Janes e Jambres – o tormento eterno.

Há um mal que está associado aos últimos dias, por isto, eles são chamados de tempos trabalhosos ou terríveis.

E este mal mostra sua cara nesta lista de vícios ou doenças que o apóstolo Paulo menciona em sua segunda carta a Timóteo 3.1-9, cujas o Manual da EBD – Edição CPAD, 3º.Trimestre – Ano 2008, divide em três categorias a saber:

  • Doenças intrapessoais

  • Doenças sociais

  • Doenças religiosas

Estes vícios ou doenças é uma característica do homem deste presente século.

O apóstolo Paulo enumera dezoito males que tem atormentam os homens em todos os tempos.

E o egoísmo ou amor próprio é a primeira doença.


1. Egoísmo – encabeça a lista dos males do final dos tempos. É um desvio de caráter.

O apóstolo Paulo ao descrever o comportamento dessas pessoas se utilizava do termo grego philaustos que se traduz por amor próprio.

Considerando que um dos grandes mandamentos é amar ao próximo como a nós mesmos (Mt 19.19), ser egoísta ou amante de si mesmo é uma forma de exclusão ao semelhante.

Aqui reside o mal – amar a si em detrimento do seu semelhante.


2. Avareza: O avarento em essência é um materialista.

Esta palavra no grego é philarguros que literalmente significa amante da prata ou do dinheiro (Lc 16.14).

O amor ao dinheiro é uma forma de avareza (1 Tm 6.10) e a raiz de todos os males.

O egoísta faz do seu próprio Eu um deus.

Já o cobiçoso tem como seu deus o dinheiro.~

A cobiça é uma forma de idolatria.


3. Arrogância ou Jactância: O arrogante ou jactancioso, termo grego alason que significa presunçoso.

Este termo tem o sentido de perambular.

Era usado para indicar vagabundos e pessoas de vil caráter, fingidos, impostores e pessoas que alardeiam e ostentam suas realizações, os quais em sua jactância ultrapassam os limites da verdade em uma tentativa de impressionar.


4. Soberbia: O soberbo, termo grego uperephanos que significa altivo, orgulhoso, são pessoas que louvam a si próprio desconsiderando aos outros (Lc 1.51; Rm 1.30; Tg 4.8; 1 Pe 5.5).


5. Blasfemia: O blasfemo, no original grego – blasphemoi – que significa literalmente aquele que fala de modo destrutivo, é aquele que usa palavras abusivas e degradantes para caluniar os outros.

A raiz da inversão de valores está contida na blasfêmia.


6. Desobediência: Os desobedientes ao pai e a mãe são os rebeldes.

A falta de amor aos pais é uma forma de degradar a autoridade.

Uma atitude própria do paganismo e caracteriza também aqueles que rejeitam a autoridade de Deus.

Uma forma de apostasia (1 Tm 1.19; Tt 1.6; Ef 6.1).


7. Ingratidão: O ingrato, termo grego acharistos que significa sem gratidão é um pecado próprio do paganismo (Rm 1.21).

Em sentido mais profundo se refere àqueles que não têm nenhum respeito pelas coisas sagradas mas se deleitam em tudo que é profano.


8. Irreverência: O irreverente, termo grego anosios significa sem santidade.

São pessoas iníquas que não fazem nenhuma restrição em praticar a maldade.


9. Desafeição: O desafeiçoado, termo grego astorgos que significa sem afeição natural, são pessoas que não amam a família e insensivelmente não amam os pais e desprezam o afeto natural (Rm 1.31).


10. Profanação: O profano é um elemento não religioso (1Tm 1.9).


11. Incontinência: O incontinente e uma pessoa sem domínio próprio, termo grego akrates que significa pessoas sem auto controle. Aqui está em pauta as pessoas que não têm domínio próprio para controlar suas perversões moral, tornando-se um escravo dos vícios malditos e abomináveis aos olhos de Deus.


12. Calunia ou Mentira: O caluniador, termo grego diabolus, é um dos títulos dado a Satanás que destaca seu caráter caluniador.

Está em foco pessoas que procuram prejudicar seus semelhantes com palavras que ferem, magoam e colocam as pessoas em conflito umas com as outras na esperança de ter algum benefício.

A mentira ou calúnia é uma das mais terríveis e mortais armas do Diabo, tanto que, a expressão caluniadores vem do termo grego original – diaboloi – que significa lançadores de mentiras ou diabos.


13. Crueldade: Os cruéis, termo grego anemeros que significa selvagem, brutal, indica alguém privado de mansidão domesticável.

14. Indiferença: Os indiferentes são pessoas sem amor que odeiam a bondade e o bem e não têm qualquer escrúpulo em relação à virtude.


15. Traição: Os traidores, termo grego prodotes que significa traidor, traiçoeiro.

Este termo faz alusão a Judas Iscariotes (Lc 6.16; At 7.52).

O termo era usado também para alguém que traísse seu pai, mãe ou não cumprisse um juramento ou qualquer pessoa que abandonasse um amigo em perigo.


16. Obstinação: Os obstinados ou atrevidos, termo grego propetes cujo sentido é cair à frente ou adiante, significa ser precipitado em palavras ou atitudes.

São pessoas que não medem as conseqüências para alcançar seus objetivos.


17. Orgulho: O orgulhoso, literalmente significa aquele que se infla ou se enche com fumaça.

A idéia é de uma pessoa vaidosa, vazia e sem autenticidade (1 Tm 3.6, 6.4).


18. Deleite: O termo grego correspondente é philedonos e designa o hedonismo – uma filosofia que exalta os prazeres como sumo bem e o alvo de toda existência.

No mundo de hoje em dia não há deus mais servido do que este, dos prazeres, pois seus adoradores são bilhões (1 Tm 5.6).

Estas pessoas mantêm a aparência de piedade mas negam o seu poder (1 Tm 2.2; Tt 1.16).


CONCLUSÃO

Aqueles que preferem levar vidas imorais, sempre podem encontrar justificativas para assim agirem.

Os mestres gnósticos ensinavam que o corpo físico por si mesmo é um mal, segundo diziam:

O corpo participa da matéria que é má em si mesma e sendo assim não importava o que um homem fizesse através do seu corpo”.

O apóstolo Paulo, porém, ensinava que Deus tem interesse no homem como um todo – espírito, alma e corpo.

E todo o vosso espírito alma e corpo sejam guardados irrepreensíveis para a vinda do Senhor” (1 Ts 5.23).