O Novo Perfil Do Ensinador Cristão Em Tempos Pós - Modernos

Artigos - Artigos

Avaliação do Usuário: / 5
PiorMelhor 

É sabido que o conhecimento é gradativo e acumulativo ao longo da nossa vida, ou seja, nunca saberemos tudo de uma só vez e nem de uma vez por todas. Isto é ponto pacífico. O que ocorre é que não podemos perder as oportunidades para aprimorarmos nossos conhecimentos, nos atualizarmos e até mesmo reformularmos alguns de nossos conceitos em nossa área de atuação, e se necessário for, até mesmo romper com alguns paradigmas. Para tanto é necessário saber de antemão que o conhecimento se compõe de vários matizes, senão vejamos:


Tipos de Conhecimento

Conhecimento Empírico: Também conhecido como senso comum, saber tácito ou ainda conhecimento vulgar. É o saber que vem das experiências cootidianas. Muitas vezes este tipo de conhecimento gera ou leva ao preconceito, como, por exemplo, julgar que todo menino de rua é delinqüente.

Conhecimento Cientifico: A ciência duvida das nossas certezas. Este tipo de conhecimento deve ser justificado e é sempre passível de revisão, desde que se possa comprovar sua exatidão.

Conhecimento Filosófico: A atitude da filosofia é uma constante reflexão. Questiona tudo que está a nossa volta. Diz-se que o papel do filósofo é dar trabalho às ciências.

Conhecimento Teológico: É o que dá fundamentação ao conhecimento filosófico. É também conhecido como Conhecimento Religioso; é a fé. Não é preciso ver para crer, e devemos crer, mesmo quando não encontramos uma explicação racional para tal.

Conhecimento Tecnológico: É entendido hoje como o avanço da própria ciência. Está ligada às áreas da microelétrica, microeletrônica (robótica), microbiologia (engenharia genética) entre outras. Alguns estudiosos chegam a afirmar que o avanço tecnológico representa atualmente o que pode ser chamado de “A Segunda Revolução Industrial”.

Isto posto, atualmente não podemos dar ao luxo de prescindir de quaisquer desses conhecimentos, pois um não é melhor do que o outro; antes se completam e não temos como negar que de algum modo eles estão presentes em nossa vida cootidianas.

Por muito tempo o professor centrou a sua preocupação apenas na seguinte pergunta: O que vou ensinar?” Esta pergunta deve sim estar sempre contida no plano de aula do professor, mas a esta ele ainda deve acrescentar outra que é vital no processo ensino – aprendizagem: O que vão aprender?” É este o perfil do professor atual: Levar seus alunos pensar e sentir.

Os Principais Traços do Novo Perfil do Professor

Idade: Atualmente, este é um grande problema em muitas áreas profissionais, menos na Educação. Bons professores sempre estarão em evidência, independente da idade.

Conhecimento Teórico: Sem fórmulas mágicas, truques ou rodeios. O professor deverá apresentar o conteúdo de forma clara e didática.

Capacidade de Ouvir. Neste novo relacionamento professor-aluno já não há mais espaço para o arcaico estilo “chefe X subordinado”. O professor deverá se habituar a ouvir o que o aluno tem a dizer, pois não raras vezes este sempre tem algo a contribuir e feliz o professor que souber canalizar o conhecimento pré-existente em seu aluno a favor de sua aula.

Capacidade de Expressão: Saber organizar os pensamentos e expressá-lo com clareza. O aluno sempre saberá detectar quando o professor domina o assunto ou se este está “perdido”.

Cultura: Geral. O professor precisa ser uma pessoa atualizada, pois ter ciência dos acontecimentos cotidiano muito ajuda no enriquecimento de suas aulas e os alunos estão muito mais predispostos a ouvir um professor que demonstra conhecimento.

Qualificações: Acadêmica e Pedagógica. Quando isto não for possível, este deve fazer a devida compensação com muita leitura especializada, tanto teórica quanto didática, buscando dominar o assunto a fim de evitar vexames.

O Professor Ideal

Que Busque Qualidade. Não se limitando a fazer as coisas, mas fazê-las bem. A qualidade conduz a excelência, e tanto uma quanto a outra requer hábito, esforço, persistência.

Formador de Opiniões. E mais; que respeite as opiniões, persuadindo seus ouvintes a rever seus conceitos, confrontando-os com a verdade, levando-os a mudar.

Um Agente Transformador e Construtor do Conhecimento.

O Professor Construindo Competências

O objetivo agora não é só passar conteúdo, mas preparar todos para a vida na sociedade moderna. O professor precisa encontrar uma aplicabilidade para o que foi teorizado em sala de aula.

O aluno acumula saber, passa por exames, mas não consegue usar o que aprendeu em situações reais” (Philippe Pierre Nound).

Quatro Dicas Para Uma Boa Aula

Estimule e não apenas informe: Uma boa aula não termina em silêncio, com os alunos olhando para o relógio.

Conheça o ambiente: Para conquistar a atenção em sala, saiba quem são seus alunos, de onde vem e sua formação escolar.

Simplifique: Não gaste tempo enrolando; recorrendo a truques mágicos; com histórias que levam às lágrimas; deixando o assunto para o final...

Ponha Emoção: Estudos comprovam que os impactos de uma aula se compõem de:

55% de estímulos visuais. (quadro de giz, cartaz, slides, retroprojetor, data- show, etc.).

38% de estímulos vocais (fala, entonação e timbre).

7% conteúdo verbal (assunto propriamente dito).


Então treine seus gestos, conte histórias, movimente-se com naturalidade. Explore os recursos. E lógico, tenha conteúdo!

Como Transformar Informação em Conhecimento

Informação: É transmitido (Rádio, TV, Internet, etc.)

Conhecimento: É construído a partir das informações que recebemos e passa por algumas etapas, quais sejam: captação, compreensão, elaboração e utilização.

Assim, o grande desafio do professor moderno não é competir com o nível de informação de seu aluno, mas transformar esta informação em conhecimento.

Neste processo, somos capazes de unir a teoria com a prática, passando de uma para a outra. Esta teoria é conhecida como Praxis Pedagógica.


Por que Ensinar

Satisfação: O Professor tem a satisfação, desconhecida em outras profissões, de contribuir para o crescimento do individuo, fazendo-o progredir.

Segurança: A cátedra é uma profissão muito requisitada. A flexibilidade da profissão, somada a uma necessidade constante de bons professores, faz com que o ensino seja um campo de trabalho realmente seguro.

Concluímos tomando de empréstimo as palavras de La Torre:
“O modelo de ensino atualmente tem que ser holístico em suas metas, integrado em suas propostas, adaptado em seu contexto, polivalente nas estratégias e na avaliação. Este modelo vai além do conhecimento, pois educar não é meramente um ato transmitido; mas criativo, construtivo, transformador”.


Pr. Samuel S. Silva é Articulista, Teólogo e Pedagogo. Prfº de Teologia Sistemática. Prfº da COMACEP (Comiss. para Ação Educativa Evang. nas Esc. Públicas). Membro da CGADB. Missionário credenciado pela SENAMI. Pastoreia a Ass. De Deus Missões – ADM em Almada, Portugal. Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.