O HOMEM LIGHT COMO PRODUTO DA PÓS-MODERNIDADE

Artigos - Artigos

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 

A pós-modernidade tem levado as sociedades a olharem com muita indiferença para a Religião e tem até mesmo provocado o surgimento de uma nova ética. A tendência pós-moderna é banir com o conceito de verdade absoluta, numa sociedade de pensamento plural. Sem compreender os valores e a cultura pós-moderna, torna-se difícil compreender as pessoas, os novos valores tanto sociais quanto individuais e provocar uma mudança.

Em seu livro El hombre light, Enrique Rojas faz uma descrição muito realista do tipo de homem que a pós-modernidade tem produzido, homem este que assume contornos muito negativos. Segundo ele, os produtos “light” deram origem ao homem “light” e à vida “light”, caracterizada pelo fato de que tudo está sem calorias, sem gosto ou interesse. A vida pode ser comparada a um coquetel, onde tudo pode ser experimentado. O lema é pouca exigência e muita tolerância. O homem moderno, conforme descreve Rojas, é sumamente vulnerável. Embora seja atraente, é um ser vazio, evasivo e contraditório. Diante dos noticiários cria uma espécie de mecanismo de defesa, ficando insensível. Tem uma curiosidade insaciável por diversos assuntos, porém mal digerida e que não o leva a lugar nenhum. O que lhe interessa é ter, possuir, comprar mais e consumir loucamente. Fabrica sua verdade de acordo com suas preferências, escolhendo o que gosta e rejeitando o que não lhe apetece. É frio, não acredita em quase nada, suas opiniões mudam rapidamente e deixou para trás os valores transcendentes. Busca o prazer e o bem-estar a qualquer custo, além do dinheiro. Para ele tudo é descartável, inclusive as pessoas. Valoriza a cultura de tipo rápida, ligeira, leve, pois não tem muito tempo para a leitura e se distrai facilmente. Leva na sacola ou apresenta os best-sellers, mas não os lê, ou se o faz, não termina a leitura. O homem moderno, ainda conforme Rojas, não é feliz. Ele tem certa dose de bem-estar, tem prazeres, mas vive esvaziado da autêntica alegria. A forma suprema de prazer é a sexual. Busca o imediato, a satisfação rápida e sem problemas, que em longo prazo só acumula fracassos. Viver cansado é marca registrada do homem light. Cansaço que vem da luta permanente contra os revezes e frustrações da vida. O motivo real disso está na falta de um projeto de vida e do vazio interior. Carrega consigo o constante estresse, o pessimismo, e a depressão. Sonha com o relax, com o tempo livre e quer tudo para hoje.

Assim, a moral cristã, a partir da sua compreensão e valores, estabelece alguns desajustes neste esquema moral do homem moderno, dos quais mencionamos pelo menos três. 1- Moral sem pecado: A generalização do estilo de vida que despreza o sentido da culpa e do pecado. 2- Moral da situação: A implantação do relativismo que estabelece as circunstâncias, a subjetividade como caminho de realização moral. 3- Moral hedonista: A tendência a identificar o valor ético a partir do prazer e da satisfação que produz.

É preciso lutar e vencer a vida light. Escapar dos falsos absolutos, da idolatria do sexo, do dinheiro, do poder ou do sucesso, porque são meios, nunca podem ser fins em si mesmos. Aprender a viver o permanente em meio ao passageiro, o eterno em lugar do efêmero. Buscar a fé verdadeira e autêntica através da experiência religiosa, do encontro com o Deus. Celebrar a fé de forma alegre. Construir laços. A solidariedade, os projetos sociais, as ONGs, são convites e formas de realização pessoal. Levam a descobrir o outro e a vida que vale a pena ser vivida e que a verdadeira felicidade não reside no bem econômico pura e simplesmente.

Faz-se necessário que aqueles que lidam com a palavra de Deus, tenham uma visão alargada sobre esta nova realidade que marca a esta geração. Vemos como tudo faz parte de uma orquestração maligna e bem elaborada, mas conhecedores desses fenômenos comportamentais, vamos nos equipando para lutar. Se agirmos com convicção no que pregamos, sabemos que a palavra de Deus é poderosa em si mesma para levar este Homem pós-moderno a uma conversão sincera e mudança de comportamento.